A Associação Comercial e Industrial de Palmas (Acipa) adotou postura de questionamento ao decreto da prefeita de Palmas, Cinthia Ribeiro (PSDB), que proíbe a venda de bebida alcóolica no comércio da capital e veda seu consumo em locais públicos. 

Segundo nota assinada pelo presidente, Joseph Madeira, a “lei seca” palmense faz parte de um conjunto de medidas apenas “proibitivas” e atingem principalmente o comércio. “Infelizmente, não se observa por parte da Administração Municipal nenhuma ação proativa de apoio ao comércio, apenas ações restritivas e proibitivas”, declara o presidente, no texto. 

Para o empresário, falta diálogo e equilíbrio nas ações da gestão. “Além das medidas necessárias recomendadas pelos órgãos de saúde, é imprescindível ouvir,  contribuir e apoiar os empresários, cuja função é gerar empregos e transformar vidas, e que até agora estão sendo apenas sacrificados pelas ações adotadas pela Prefeitura.” 

Confira a nota
"A Associação Comercial e Industrial de Palmas (Acipa) questiona a medida adotada pela Prefeitura Municipal de Palmas porque percebe que todas as medidas adotadas até o momento, inclusive a Lei Seca decretada na noite desta sexta-feira, 15, são apenas proibitivas, atingindo principalmente o comércio. 
Infelizmente, não se observa por parte da Administração Municipal nenhuma ação proativa de apoio ao comércio, apenas ações restritivas e proibitivas. 
As proibições estabelecidas não bastam e se mostram ser o caminho mais cômodo e que em nada contribui. Além das medidas necessárias recomendadas pelos órgãos de saúde, é imprescindível ouvir,  contribuir e apoiar os empresários, cuja função é gerar empregos e transformar vidas, e que até agora estão sendo apenas sacrificados pelas ações adotadas pela Prefeitura. "


Fonte: JT