29 de fev de 2016

Obras de creches e escolas seguem inacabadas no interior do Tocantins

Recursos do Governo Federal estão sendo desperdiçados.
Enquanto isso, pais não encontram locais para deixarem os filhos.



A construção de algumas creches e escolas seguem inacabadas no interior do Tocantins. Os recursos enviados ao estado pelo governo federal estão sendo desperdiçados. Enquanto isso, pais de crianças não encontram locais para deixarem os filhos.

Sem creche para a filha de um ano e três meses, fica difícil para a dona de casa Rosângela Neres arrumar emprego. "Não posso deixá-la sozinha e ela precisa ser bem cuidada."

Rosângela mora em frente a uma creche em Miracema do Tocantins, cidade a 80 km de Palmas. A obra começou há mais de dois anos. Alguns ferros da construção já estão enferrujados, as paredes escuras e as telhas quebradas.

Em Miranorte, a 100 km da capital, a obra de uma unidade de educação infantil está atrasada há um ano e dois meses. A entrega deveria ter sido feita em dezembro de 2014.

O local foi planejado para ter quatro pavilhões e atender centenas de crianças da cidade. Mas obra está inacabada.
O piso não passou de 'chão batido'. As paredes até foram levantadas, mas estão apenas chapiscadas. As mangueiras de instalação elétrica estão penduradas pelos cantos e os materiais de construção estão espalhados por todo o prédio.

O valor inicial previsto para a obra foi de mais de R$ 1 milhão. Os recursos são do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE).

Faz nove meses que Edson Alves Fonseca está trabalhando como guarda noturno de uma creche. Ele conta que está com os salários atrasados. "Em nove meses só recebi R$ 2,3 mil e não trabalho de carteira assinada."

Tanto a creche de Miranorte quanto a de Miracema, são do programa Pró-Infância, do governo federal, em parceria com os municípios que devem contratar as empreiteiras e fazer a gestão das obras.

Em todo o Tocantins foram previstas 156 unidades, sendo que 71 obras já teriam sido concluídas, 35 estão em execução, nove estão em fase de planejamento, 23 inacabadas e uma foi cancelada.

O autônomo Luciano Dias também está à espera de uma vaga para a filha de dois anos. "Tem muitos pais que assim como eu também não tem condições de colocar os filhos em outras creches. Precisamos de uma aqui", explica.

Ensino integral
"Mais uma escola no Tocantins." A mensagem otimista está na placa da obra de uma escola de tempo integral em Miranorte. Mas do lado de dentro da construção o que se vê é matagal, materiais de construção jogados no pátio, salas de aula e laboratórios que não foram concluídos e o portão fechado.

A área onde deveria haver uma quadra esportiva está largada pela metade. O valor total previsto para a construção da escola foi de R$ 3,6 milhões. Dinheiro do governo federal.

"[As obras] começaram em meados de março e o plano de ação é que todas finalizem até o final de 2017", afirma o diretor de obras e infraestrutura da Secretaria de Educação (Seduc), Geovane Alessandro Silva.

O Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação disse que a solicitação foi encaminhada para o setor responsável. Desse setor a TV Anhanguera ainda não obteve resposta.




(Do G1 TO, com informações da TV Anhanguera)
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Fechar


 


Galeria de Fotos